Engraçado notar que as vezes a gente nao tem a menor idéia da importância da música em nossas vidas.

Digo isso não somente porque toco…mas como pessoa.

A música permeia nossos sentimentos, sensações e ações. Nos ajuda a canalizar as energias, nos acalma, nos anima e diversas outras coisas que somente quem ama música consegue entender.
Opa! Peraê!Mas que tipo de música?Qualquer tipo….simplesmente porque o envolvimento com música é algo estritamente pessoal e direcionado ao âmago do nosso ser.Embora duvide que as pessoas que gostam de funk carioca e axé entendam o significado da palavra âmago.

Por mais que a música seja fatiada, divida e rotulada – pois ela é hoje em dia um produto, algo para ser comercializado – ela ainda possui como atrativo a arte e o poder de fazer com que o ouvinte se abstraia de tudo o que não lhe agrada, esqueça dos problemas, se concentre naquilo que precisa – conheço muitas pessoas tipo eu que estudam ouvindo música -ou ainda relaxe, se emocione….enfim…desperta uma série de sensações únicas e só quem já teve esse “arrebatamento” entende o que quero dizer…

Nem me refiro à música “boa”, pois já disse, isso acaba por ser pessoal…..e é impossível uma pessoa se ater unicamente a um estilo musical.

NINGUÉM gosta só de rock….só de MPB….só de blues…..só de jazz….só de pagode, mesmo porque pagode nãoo é música, é batuque. Em geral, as pessoas gostam PREFERENCIALMENTE de determinado tipo de música e não UNICAMENTE.

Como o blog é meu, falarei do meu gosto (surpresa!!!).

Em geral as pessoas sabem que gosto de rock….e estão 100% certas. Mas é super interessante ver a cara delas quando digo que gosto também de O Teatro Mágico por exemplo.

Elas me olham com uma cara de “OHHHHH”, aquela puta cara de espanto, como se eu dissesse algo completamente absurdo ou inacreditável.

 Tipo assim:

E daí se gosto de O Teatro Mágico? Ou de The Cranberries?Ou mesmo de Amy Winehouse?

Para pessoas mais radicais – e quero deixar claro que não somente rockeiros – parece inconcebível eu gostar de Dave Matthews Band e Carcass por exemplo…isso se chama ecletismo. Dentro dos meus padrões de qualidade, claro.

 Pra mim, se é música e me agrada, eu ouço independente de rótulos, estilos, e se toca ou não na rádio.

Correndo o risco da frase ficar meio gay, mas eu acredito que o importante é a música me tocar (ui!) e não o quanto ela toca por aí…Leiam sem segundas intenções!!!!

Enfim; partindo do princípio básico que toda música boa merece nossa atenção, independente de  qualquer coisa, devemos apoiar os artistas que despendem esforços, tempo e sabe-se lá o que mais para que possamos ouvir e sentir aquilo que a mensagem da música nos passa.

Música é sentimento. Seja qual for. Amor, ódio, rancor, indignação, incoformismo, dor de corno, putaria….cada louco com sua mania!

Considero-me eclético dentro do possível (ser 100% eclético pra mim é impossível). Pois misturar axé e death metal  num mesmo mp3 player por exemplo, só pode ser coisa do capeta…mas dizem por aí que tem quem consiga. Duvido.

Oras…falei – aliás escrevi – um monte pra quê????

Só pra deixar claro minha posição quanto à isso….todos que me conhecem minimamente sabem que sou movido à música. Amo música. Amo tocar e amo ouvir alguém tocar.

E acredito que quem não gosta de música (se é que existe alguém), deveria ser exterminado da face da terra,  certamente é alguém muito infeliz.

Acredito também que perdemos tempo demais tentando catalogar as coisas, separar, segmentar, quando é muito mais fácil dividir apenas em música boa e música ruim.

 Eu faço isso.E pra mim resolve….

Não me entendam mal…sou profundamente envolvido com rock….toco na cena a vários anos e não me vejo tocando outra coisa. Mas existem momentos em que baixar o volume e se deixar levar é bacana…

Hardcore, New metal e Metalcore estão gravados profundamente dentro de mim….mas nem por isso deixor de encontrar um espacinho pra MPB, Pop e outras cositas.

De acordo?

Abraço!

 

O Teatro Mágico

Sepultura

Dave Matthews Band

Motorhead

 

Anúncios